Diretora do Hospital de Sobradinho é exonerada após morte de paciente

A decisão foi anunciada pelo governador Ibaneis Rocha, na terça-feira (14/5), após a repercussão da morte de uma jovem que não conseguiu atendimento na unidade de saúde (foto: Crédito: Reprodução/Internet)

A decisão foi divulgada no Diário Oficial do Distrito Federal desta quarta-feira (15/5). Mais três nomes aparecem no documento, no entanto, a Secretaria de Saúde diz não saber o motivo dos demais afastamentos

A diretora do Hospital Regional de Sobradinho, Cláudia Gomes dos Reis, foi exonerada do cargo. A confirmação está no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF) desta quarta-feira (15/5). A decisão de demitir os responsáveis pela unidade de saúde foi anunciada pelo governador Ibaneis Rocha, na terça-feira (14/5), após a repercussão da morte de uma jovem que não conseguiu atendimento no hospital.
O chefe do executivo local chegou a dizer que se a direção do hospital não fosse exonerada, ele demitiria o secretário de Saúde, Osnei Okumoto. Até o momento, segundo a Secretaria de Saúde, apenas Cláudia Gomes dos Reis foi exonerada. Outros três nomes aparecem no DODF, no entanto, a assessoria de imprensa não soube dizer qual a motivação do desligamento desses outros servidores.
A exoneração da diretora do hospital é uma consequência da morte de Beatriz Viana da Silva, 19 anos. Ela esteve na unidade de saúde no último sábado (11/5), com fortes dores abdominais, e não conseguiu atendimento. A jovem estava acompanhada do marido e a única informação que receberam foi a de que não havia médico no local.
Com a mulher nos braços, Wesley Nascimento, 20, chegou a procurar uma clínica particular, mas o hospital alegou que não tinha estrutura necessária para prestar o socorro e chamou uma ambulância do Corpo de Bombeiros para levá-la de volta ao hospital. No entanto, Beatriz no caminho.
A jovem foi velada na tarde de terça-feira (14/5), no Cemitério de Sobradinho, em meio a muita emoção. Durante a cerimônia, familiares e amigos de Betriz clamavam por justiça. Ela deixa um bebê de 6 meses. As causas da morte ainda estão sendo investigadas. O laudo do Instituto de Medicina Legal (IML) deve ficar pronto em 30 dias.
Por meio do Sindicato dos Médicos do Distrito Federal (SindMédicos-DF), o Correio tentou entrar em contato com a ex-diretora do HRS, Cláudia Gomes dos Reis,no entanto ela comunicou à assessoria de comunicação que não dará entrevistas no momento.
Correio aguarda o posicionamento do SindMédicos.
Fonte:CB

Be the first to comment

Leave a Reply

Seu e-mail não será divulgado


*


%d blogueiros gostam disto: